segunda-feira, 28 de julho de 2008

Faroeste Caboclo, 70 anos da Morte de Lampião

A força volante não possuía muita experiência, porém, contava com um elemento que foi decisivo: o fator surpresa. O número de homens envolvidos, era relativamente pequeno, diante do tamanho do desafio que estava por vir. A missão era o sonho de diversos governos, coronéis e outros: prender ou executar Virgulino Ferreira, Lampião.


Naquela manhã de 28 de julho de 1938, o bando do maior líder do cangaço que o Nordeste conheceu, descansava tranqüilamente no seu esconderijo favorito – a gruta de Angicos - Sergipe. De repente um saraivada de balas e em pouco tempo tudo estava terminado. Lampião, Maria Bonita e mais nove cangaceiros mortos, outros fugiram e procuraram reorgarnizar o bando sob o comando de Corisco.

O ataque durou uns vinte minutos e poucos conseguiram escapar ao cerco e à morte. Dos 34 cangaceiros presentes, 11 morreram ali mesmo. Lampião foi um dos primeiros a morrer. Logo em seguida, Maria Bonita foi gravemente ferida. Alguns cangaceiros, transtornados pela morte inesperada do seu líder, conseguiram escapar. Bastante eufóricos com a vitória, os policiais saquearam e mutilaram os mortos. Roubaram todo o dinheiro, o ouro, e as jóias.

(VAINSENCHER, Semira Adler in http://www.fundaj.gov.br/notitia/servlet/newstorm.ns.presentation.NavigationServlet?publicationCode=16&pageCode=308&textCode=976&date=currentDate)


O Mito e a Cultura Popular

Com a morte Lampião e Maria Bonita terminava uma era. Durante cerca de vinte anos, este cangaceiro praticou os mais diversos tipos de crimes como saques, extorsões e assassinatos, também foi capaz de atos de generosidade e bondade para com os companheiros e pessoas humildes. O homem se foi; o mito, que já existia antes mesmo da mor permanece. A figura daquele sertanejo nascido em Serra Talhada – PE ainda hoje é fruto de estudos sendo talvez, o personagem mais biografado da História do Brasil. Diversas são as teorias a respeito deste homem e do movimento do cangaço, do qual Lampião tornou-se um ícone. Lampião já foi tratado como herói, como bandido e até como lenda.

Polêmicas não faltam nas narrativas e pesquisas sobre o fenômeno social do cangaço e Lampião. Há quem o compare com os atuais traficantes de drogas presentes nos grandes centros urbanos, outros tratam de Lampião de modo romântico vendo nele a figura de um “Robin Hood das Caatingas”, fato que deve-se a passagens pitorescas da vida do cangaceiro como o caso do assalto à casa da Baronesa de Água Branca - onde após o saque, Lampião e seu bando distribuíram o butim com diversas pessoas da comunidade - e há ainda, os que analisam os cangaceiros e Lampião como homens típicos do sertão de seu tempo que buscavam através da ação violenta, realizar seus objetivos de vingança pessoal ou de enriquecimento e alcançar uma espécie de status.

Há 70 anos, polêmicas são levantadas e discutidas, novos estudos e interpretações são feitas o que não muda é a força que a figura do cangaceiro possui no imaginário popular refletida em versos, músicas e xilogravuras.

Passados 70 anos da morte do mais famoso de todos cangaceiros o movimento do Cangaço e a figura de Lampião ainda permeiam a arte do nordestino e servem de mote para pesquisas e discussões, revelando a grandiosidade do tema. Acreditamos ser importante repensar o movimento do cangaço buscando interpretar suas raízes e conseqüências, bem como analisar o papel que este movimento desperta no imaginário popular nordestino.

Mais

http://www.fundaj.gov.br/notitia/servlet/newstorm.ns.presentation.NavigationServlet?publicationCode=16&pageCode=300&textCode=951&date=currentDate

comunidade O Cangaço: http://www.orkut.com.br/Community.aspx?cmm=387513

DÓRIA, Carlos Alberto O Cangaço. S. Paulo: Brasiliense, 1981 (Tudo É História, 6).
FACÓ, Rui. Cangaceiros e Fanáticos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1972.
MACIEL, Frederico Bezerra. Lampião, seu tempo e seu reinado. Rio de Janeiro: Vozes Petrópolis, 1980. v.1 e v.2.
MELLO, Frederico Pernambuco. Guerreiros do sol: o banditismo no Nordeste do Brasil. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 1985.
MONTE NEGRO, Aberlardo F. Fanáticos e Cangaceiros. Fortaleza: Henriqueta Galeno, 1973.
Filmografia
O Cangaceiro
(Brasil, 1953)
Direção: Lima Barreto Elenco: Vanja Orico, Ricardo Campos, Adoniran Barbosa
Jesuino Brilhante , o Cangaceiro (Brasil, 1962)
Direção: William Gobert.
Lampião, o Rei do Cangaço (Brasil, 1963)
Direção: Carlos Coimbra. Elenco: Vanja Orico, Leonardo Villar, Dionísio Azevedo.
Maria Bonita, Rainha do Cangaço (Brasil, 1968) Direção: Miguel Borges. Elenco: Sônia Dutra, Milton Moraes, Jofre Soares.

4 comentários:

Diogo Barreto disse...

Bandido ou herói, essa figura tornou-se emblemática e vai ainda perpetuar seu mito por gerações, pois o sertanejo, forte como dizia Euclides da Cunha, sabe que seus valores sobrevivem em Lampião. Para os leigos, objeto de curiosidade; para os catedráticos, objeto de estudo. Lampião sempre será de 1001 facetas.

Abraço Jorge! também coloquei um especial sobre ele.

O Professor disse...

Até hoje ainda não apareceu nada melhor que o livro do Facó sobre o assunto, não acha?

Diogo Barreto disse...

Ô Jorge, vamos atualizar esse espaço rapaz! Uma riqueza como esse blog não pode ficar carente de novas informações.

Obrigado pela postagem. Sempre com conclusões sucintas e bem fundamentadas.

Abraço!

Angobrasileira disse...

Gostei muito do seu blog, principalmente por eu ser professora de Histortia.
Em relaçao ao Lampiao, posso dizer que nenhum sertanejo conseguiu deixar seu nome na nossa historia como ele(e claro, o Antonio Conselheiro!!).
Parabens pelas postagens...